Conheça os maquiadores oficiais das marcas brasileiras de maquiagem

Conheça os maquiadores oficiais das marcas brasileiras de maquiagem

Você chega nas lojas e encontra aquelas maquiagens lindas, em coleções magníficas, com a escolha perfeita dos tons e texturas Mais »

HAIR BRASIL chega a 16ª edição apresentando novidades de 900 marcas expositoras e com 200 eventos educacionais

HAIR BRASIL chega a 16ª edição apresentando novidades de 900 marcas expositoras e com 200 eventos educacionais

A 16ª edição da HAIR BRASIL – Feira Internacional de Beleza, Cabelos e Estética acontece de 21 a 24 de Mais »

Diversidade cultural: Conheça as diferentes festas de carnaval do país

Diversidade cultural: Conheça as diferentes festas de carnaval do país

Estamos a pouquíssimo tempo de iniciar o carnaval (os mais adiantados já estão caindo na folia) e se tratando da Mais »

#Teste: Quem é você no Carnaval?

#Teste: Quem é você no Carnaval?

Chegando o carnaval, e os preparativos parecem infinitos. Entre os mais imprescindíveis, paira a dúvida: qual fantasia tem mais a Mais »

Fantasia de Carnaval: Faça Você Mesmo

Fantasia de Carnaval: Faça Você Mesmo

Estamos há uma semana do feriado mais alegre do ano! E pra você que cansou de comprar fantasia e quer Mais »

Confira uma lista com 11 itens indispensáveis para o carnaval

Confira uma lista com 11 itens indispensáveis para o carnaval

Esse ano a nossa equipe resolveu caprichar nas dicas para a galera aproveitar o carnaval cheio de estilo. E como Mais »

Conheça a origem das Revistas

tumblr_licyho0N6H1qfc5mvo1_500_large

tumblr_licyho0N6H1qfc5mvo1_500_largeVocê conhece a origem das revistas? A palavra tem a etimologia vinda do inglês “review”, que significa, entre outras coisas, “resenha” e “critica literária”.   Review era uma palavra comum para diversas revistas literárias inglesas, que eram os modelos imitados durante os séculos XVII e XVIII. No entanto na Inglaterra, Estados Unidos e outros países de língua inglesa as revistas são chamadas de “magazines”, que vem da palavra árabe “al-mahazen”, que significa “armazém” ou “depósito de mercadorias variadas”, pois diferente dos livros que são monotemáticos, as revistas geralmente apresentam vários  assuntos. Elas são publicações periódicas de cunho informativo, jornalístico ou de entretenimento voltada para o público em geral.

A primeira revista que se tem registro teve sua origem na Alemanha, em 1663, com um nome que quase não coube na capa: Erbauliche Monaths-Unterredungen, algo como “Edificantes Discussões Mensais”. Não é por acaso que a história das revistas tenha começado na Alemanha. Foi lá que, 200 anos antes dessa publicação pioneira, o artesão Johannes Gutenberg desenvolveu a impressão com tipos móveis, técnica usada sem grandes alterações até o século 20 para imprimir jornais, livros e revistas. Com a invenção de Gutenberg, panfletos esporádicos – que podiam, por exemplo, trazer relatos sobre uma importante batalha – passaram a ser publicados em intervalos cada vez mais regulares, tornando-se embriões das primeiras revistas dignas desse nome, ou seja, um meio-termo entre os jornais com notícias relativamente recentes e os livros. Além da Erbauliche alemã, outros títulos apareceram ainda no século 17, como a francesa Le Mercure (1672) e a inglesa The Athenian Gazette (1690).

No Brasil a primeira revista foi lançada em 1812, na cidade de Salvador, chamada de “As Variedades ou Ensaios de Literatura” ela abordava temas eruditos e tinha mais cara de livro do que propriamente de revista.  Um programa da série Histórias do Brasil, traz um resumo da história das revistas no país.  O programa é bem trabalhado, com a presença das capas das revistas e um histórico detalhado.

As revistas são como amigos dos leitores, elas tem como objetivo atrair a atenção do leitor e para isso ela precisa transmitir já em sua capa a identidade e o conteúdo da publicação para deter o leitor.

Por esse motivo, o editor da revista precisa ser antenado para levar uma certa audácia jornalística para sua publicação. Pois a imagem desta faz parte do conteúdo e tem duas funções básicas: Estabelecer a identidade visual e comunicar de forma clara o conteúdo editorial.

No início do século 20 aparece em um dos ícones mais importantes do mundo da publicação , William Randolph Hearst . Como o proprietário de vários jornais em toda a América , ele se envolve em uma batalha impiedosa para os leitores com o seu mentor , Joseph Pulitzer. Durante a Guerra de Independência de Cuba , Hearst e Pulitzer publicou em seus jornais imagens de tropas cubanas torturadas e famintas. Neste momento, surge o termo jornalismo amarelo , que marca a abordagem sensacionalista para a apresentação de eventos .

Hearst expandiu seu império para publicação de revistas começando com o famoso Good Housekeeping , National Geographic e Harpers Bazaar . Além de revistas de Hearst , algumas outras importantes publicações aparecem como Conde Nast Vogue , Vanity Fair e a revista Time, cujo arranque Henry Luce ainda é considerado o editor mais influente na história.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Powered by WordPress | Thanks to YouTube to Mp3 Converter, free photo editor and WordPress 3.8 Themes